quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Livro Solidário continua recebendo acervos da população paraense


O projeto Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE), recebeu nesta quinta-feira, 27, um acervo de cerca de 500 livros do projeto social A Liga do Bem, formada por um grupo de amigos cujo objetivo é somar para um mundo mais humano e solidário, como eles se apresentam nas redes sociais.

Diane Maués Casanova, que junto com o marido Marcelo Casanova, coordena A Liga do Bem, disse que a arrecadação se dá durante o ano inteiro, e em dezembro eles fazem a doação para projetos de incentivo à leitura como o Livro Solidário. Este é o segundo ano que eles entregam acervo para o Livro Solidário.

Segundo Casanova, a escolha do projeto se deu por ser uma ação importante de estímulo à leitura. “Acreditamos que o país precisa de mais e mais leitores. E o projeto da IOE já ganhou credibilidade com a população, e a gente sabe que os livros vão parar nas mãos de pessoas que precisam. É isso que nos estimula”, disse.

“O Livro Solidário é um projeto maravilhoso que todo mundo deveria ajudar, pois dá oportunidades às pessoas que não têm acesso ao livro, um estímulo para adquirir conhecimento”, completou Marcelo Casanova.

Segundo a técnica do Livro Solidário, Lucila Girão, ao longo desses sete anos o Livro Solidário construiu um elo com a população paraense. “Mesmo com a mudança de gestão, a gente acredita que o projeto deva continuar, pois a população tem um carinho muito grande pelo Livro Solidário, e o procuram tanto para doar quanto para receber livros”, pontuou.

A Liga do Bem – Segundo Marcelo Casanova, A Liga do Bem existe há cinco anos, e foi criado pela irmã dele, Maria Rosa Casanova, que era muito ligada a causas sociais. “Ela faleceu há sete anos, e como a questão da solidariedade sempre fez parte da nossa família, nós resolvemos criar esse projeto para que o sonho dela não morresse”, contou.  Diane Maués Casanova informou que A Liga também arrecada roupas pra comunidades ribeirinhas, além de alimentos e brinquedos para crianças carentes que moram ao longo da BR 316, até a entrada de Mosqueiro. “Ainda temos alimentos pra doar para os refugiados da Venezuela”, contou.

Texto e Fotos: Ronaldo Quadros
Ascom IOE





quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Ilha de Ananindeua recebe Espaço de Leitura Livro Solidário da IOE


Foi entregue nesta sexta-feira, 21, por meio da Imprensa Oficial do Estado, um acervo de cerca de 300 livros, mais estandes e material da identidade visual do projeto Livro Solidário, para a comunidade Nova Esperança, que fica na Ilha de João Pilatos, em Ananindeua, para ser implantado um Espaço de Leitura Livro Solidário na ilha. A entrega foi feita à integrante do grupo Anjos Sem Fronteiras, Cristiane Santos, que fez a ponte entre a comunidade e o Governo do Estado.

O Espaço de Leitura Livro Solidário vai funcionar no Centro Comunitário da Ilha que está sendo recuperado e revitalizado pelos próprios moradores, e vai servir como um local de cultura e lazer, principalmente para as cerca de 40 crianças que estão em idade escolar.

Segundo Cristiane Santos, os estudantes dependem de um barco da prefeitura de Ananindeua pra se deslocar para outras ilhas para estudar, visto que em João Pilatos, não existe escola. Santos conta que a ideia de desenvolver algum tipo de projeto na ilha, surgiu depois de uma visita que ela fez no local.

“Foi ai que eu vi a necessidade das crianças e jovens do acesso à educação. Então conheci o projeto Livro Solidário pelas redes sociais e hoje estamos recebendo esse presente que vamos entregar à comunidade em João Pilatos”, narrou. 

Santos afirmou que o local vai servir, não só para a educação das crianças, mas também para seus pais, "já que muitos deles não tiveram acesso a educação", pontuou.

A técnica do Livro Solidário Lucila Girão disse que esse é o último Espaço de Leitura que a Imprensa Oficial do Estado (IOE) está entregando este ano e fez um balanço positivo do projeto coordenado em parceria com o Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC), que nos últimos sete anos entregou 63.209 livros para 192 instituições do estado.

“A avaliação é bastante positiva, pois encerramos com essa entrega para implantação de mais um Espaço de Leitura em uma ilha. E é gratificante saber que existem pessoas capazes de olhar pelo outro e oferecer a um coletivo carente de leitura, uma oportunidade de conhecimento” pontuou.

Girão lembrou que o projeto atendeu solicitações de instituições públicas, religiosas e comunitárias que desenvolvem atividades educativas de incentivo à leitura. Essas instituições funcionam na grande Belém e nas regiões sudeste, nordeste, sul do Pará, além do Baixo Amazonas e regiões das ilhas como o arquipélago do Marajó.

O projeto atendeu pedidos de acervo de Abaetetuba, Ilha de Genipaúba, Ilha de Algodoal, Ananindeua, Augusto Correa, Benevides, Curralinho, Igarapé-Açú (Cajual), Ilha João Pilatos (Ananindeua), Marabá, Salvaterra, Soure, Melgaço, Mocajuba, Monte Alegre, Palestina do Pará e Santarém.

Desde 2011, quando o projeto foi retomado e passou à coordenação da Imprensa Oficial, foram implantados 32 Espaços de leitura em Belém, Benevides, Mosqueiro, Ananindeua, Acará, Santarém, Icoaraci, Outeiro e Algodoal.  Vale ressaltar que o projeto Livro Solidário foi criado em 2004, na primeira gestão do governador Simão Jatene.

Outra ação de sucesso desenvolvida pela Imprensa Oficial, por meio do Livro Solidário, com o objetivo de ajudar no desenvolvimento educacional de crianças e jovens foi o Ação Leitura que envolve dinâmicas educativas, com a presença de escritores locais com o propósito de incentivar a leitura e a socialização entre as crianças e adolescentes beneficiados pelos Espaço de Leitura implantados.

“A proposta da Ação Leitura é utilizar a atividade lúdica para ajudar na formação da criança, abordando temáticas como cidadania e respeito ao próximo, tendo como base o objeto livro. Para tanto são desenvolvidas apresentações com teatro de fantoches, contação de histórias, entre outras”, listou a coordenadora do Livro Solidário Carmen palheta.

A ação culminante do projeto é o Sarau Literário, realizado em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura (Secult), durante a realização da Feira Pan-Amazônica do Livro, quando as crianças e adolescentes atendidos pelos Espaços de Leitura mostram todo o seu talento no maior evento literário da região norte.

Texto: Ronaldo Quadros
Ascom Imprensa Oficial do Estado 



segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Releitura de livro editado pela IOE encerra atividades do Espaço Acolher


Uma releitura feita por professores e alunos atendidos pelo Espaço Acolher, da Santa Casa de Misericórdia, tendo como foco o livro “As Casas”, editado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE), encerrou nesta segunda-feira, 17, as atividades escolares das crianças vitimas de escalpelamento, atendidas no espaço. 

A obra, de autoria do escritor e designer Maciste Costa, resultou em um projeto didático criado para trabalhar as diversas linguagens, como língua Portuguesa, matemática e toda parte de humanas, segundo informou Júlia Saldanha, professora da classe hospitalar, programa da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) que visa dá continuidade às atividades letivas dos alunos vítimas de escalpe.

Maciste Costa esteve presente conversando com os alunos sobre o que ele pensou quando escreveu o livro. “Queríamos agradecer a IOE por nos ter doado essa e outras obras que fazem parte do projeto Carrinho de Leitura. Esses livros são de estrema importância para as atividades que são desenvolvidas com os alunos que frequentam o Espaço Acolher” relatou Saldanha.

Alunos como a jovem Cássia Elen Gama, de 14 anos, que esteve internada desde fevereiro e recebeu alta hoje. Aluna da 7ª Série, ela contou que os professores trabalham os livros de acordo com cada série. “É muito legal o trabalho aqui, eles ajudam a gente nas atividades e a presença dos livros nos ajudam de todas as maneiras”.

Ivanete Ramos da Gama, 33, Mãe de Elen, contou que a menina sofreu o escalpelamento em uma viagem de barco quando a família ia para a igreja, no município de Muaná, na ilha do Marajó. 

“Nós só ouvimos o barulho. Quando olhei pra trás do barco, ela estava com os cabelos presos no motor. Levamos ela pro sítio e depois ela foi transferida para Belém. Ela está bem melhor, inclusive o médico já deu alta, e amanhã já vamos retornar pra nossa casa em Muaná. Graças a Deus nós vencemos essa batalha” contou emocionada.

As atividades letivas do Espaço encerraram com a presença do papai Noel que brincou com as crianças, tirou fotos e entregou brinquedos doados pelo governo do Estado, Marinha do Brasil e outros parceiros.



sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Escola de Algodoal ganha Espaço de Leitura Livro Solidário


A Imprensa Oficial do Estado (IOE), por meio do projeto de incentivo à leitura Livro Solidário, entregou nesta sexta-feira, 14, cerca de 500 livros, três estandes, painéis e placas de identidade visual para a montagem do Espaço de Leitura Livro Solidário na Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria de Lourdes Ferreira, na ilha de Algodoal, localizada no município de Maracanã.

O acervo foi entregue à gerente administrativa do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), no Leste Paraense, Rosângela Souza, responsável pela Área de Proteção Ambiental, APA Algodoal/Maiandeua, onde está localizada a escola.

Souza acredita que o Espaço de Leitura vai contribuir com o desenvolvimento de atividades extra-curriculares de incentivo à leitura e pesquisa. A gerente contou que o Ideflor-bio desenvolve ações de educação ambiental, principalmente com as crianças da ilha.

A grande preocupação do Instituto, segundo Souza, é com a proteção do meio ambiente local. “Nós temos levados amimais empalhados para mostrar o grau de contaminação, principalmente por plástico em animais de menor porte. A gente já percebe essa contaminação, já encontra plástico no organismo deles, e isso está chamando a atenção dos alunos. E é nos livros que eles vão conseguir ter acesso a esse tipo de informação para melhorar no ambiente deles”, pontuou.

A técnica do Livro Solidário Lucila Girão disse que o projeto teve o cuidado de selecionar livros específicos para ajudar o desenvolvimento de atividades voltadas para a proteção do meio ambiente em que eles moram. 

“São livros sobre meio ambiente, natureza, educação ambiental que eles estavam mais precisando”, informou, acrescentando que só foi possível essa ação com a doação de livros novos e usados doados pela população paraense.

Texto e fotos: Ascom IOE





quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Boa alimentação é tema de ação no Lar de Maria


Em 2012, a Escola Estadual de Ensino Fundamental Lar de Maria, localizada no bairro de São Brás, em Belém, foi agraciada com um Espaço de Leitura Livro Solidário, do projeto de incentivo à leitura Livro Solidário, coordenando pela Imprensa Oficial do Estado (IOE) e Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC). 

De lá pra cá, várias ações com foco na leitura foram realizadas. A última ocorreu no último dia 7 de dezembro, com a culminância do projeto #aboaalimentaçãoéasolução.  

Segundo as gestoras Fabiana Brito e Socorro Cantanhede, o objetivo do projeto, que surgiu a partir da adesão da escola ao projeto Ecoativos em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), é ampliar a consciência e conhecimento de professores, gestores e comunidade escolar para hábitos e atitude saudáveis, além de fomentar o consumo de alimentos saudáveis.

"Nesse sentido a Escola escolheu a pétala da flor da sustentabilidade (nutrição e saúde), com a intenção de tratar das questões relacionadas à alimentação saudável, além de refletir sobre os impactos causados pela alimentação inadequada", pontuou.

O projeto #aboaalimentaçãoéasolução começou a ser desenvolvido desde fevereiro deste ano com abordagens temáticas com as turmas do 2º ao 5º ano, envolvendo cerca de 400 alunos. Para desenvolver o tema foram realizadas palestras com nutricionistas do Sesi (mesa Brasil), plantio da horta escolar e feira Cultural e várias rodadas de leitura.

No decorrer do ano, os alunos realizaram exposições, confeccionaram livros de receitas, degustaram pratos feitos a partir do reaproveitamento de alimentos, entre outros. "Muitos desses alimentos passaram a fazer parte da alimentação escolar dos alunos", informaram as gestoras da escola.






quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Casa do Menino Jesus recebe Espaço de Leitura Livro Solidário


Crianças atendidas pela Casa de Apoio a Crianças com Câncer, Menino Jesus III, receberam, na manhã desta quinta-feira, 29, um Espaço de Leitura do projeto Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE) e Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC), do governo do Estado. A Casa fica na Travessa Castelo Branco, no bairro de São Brás, em Belém.

Com a doação de cerca de 200 livros de interesse geral, somados aos já existentes na instituição, foi possível organizar o Espaço que vai servir de apoio educacional, tanto para as cerca de 65 crianças atendidas, como para as mães que também recebem apoio educacional na própria Casa.

Segundo a coordenadora de atividades da Casa, Alda Menezes, o apoio do projeto Livro Solidário chegou em um momento oportuno, “pois a maioria das mães e das crianças têm baixa instrução e com o Espaço de Leitura elas vão sair pré-alfabetizadas”. Ela contou que foi uma grande alegria ver as crianças deixarem um pouco os celulares e jogos eletrônicos de lado para terem contato com os livros. “Se deixar, eles passam o dia aqui entre os livros”, assegurou.

Coordenadora do Livro Solidário, Carmen Palheta disse que apoiar esse tipo de instituição é sempre “gratificante”, pois é uma oportunidade que temos de ajudar crianças que estão em tratamento e em situação de extrema fragilidade devido aos medicamentos e sessões para curar os diversos tipos de câncer de que são acometidos. “Ver a alegria deles em contato com os livros só reforça a capacidade que a leitura possui de ser um instrumento importante nesse processo de cura”.

Palheta reforçou que a Casa do Menino Jesus III não é o primeiro lugar que o Livro Solidário atende e que tem esse tipo de público. Segundo ela, profissionais de hospitais que lidam com pacientes em tratamento já relataram que a parte lúdica que a leitura proporciona é fundamental, pois reforça o equilíbrio mental, físico e espiritual dos pacientes, ajudando-os no tratamento.


SERVIÇO:
Além de Belém, a Casa Menino Jesus possui unidades em Fortaleza e Brasília e atende a crianças e adolescentes acometidos pelo câncer, além de outros com problemas cardíacos e renais. As crianças são encaminhadas por meio do setor de assistência social dos hospitais do Estado, em casos onde as famílias não tenham onde ficar em Belém. Elas permanecem na Casa durante todo o tratamento quimio e radioterápico. A Casa também oferta oficinas de artesanato e geração de renda para que as mães, quando encerrarem o tratamento de seus filhos, possam desenvolver atividades no retorno a suas casas.

Texto: Ronaldo Quadros -Ascom IOE
Fotos: Fernando Sette





quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Livro Solidário apoia o projeto Livro Viajante que destaca literatura infanto-juvenil paraense


O Aeroporto Internacional de Belém promove, de 29/10 a 5/11, a Campanha Livro Viajante, que tem como objetivo estimular o hábito de leitura. Em Val-de-Cans, a campanha tem parceria da Imprensa Oficial do Estado do Pará, por meio do projeto “Livro Solidário”, que doou 600 exemplares para essa edição.

A iniciativa chega a sua 6ª edição, destacando os autores paraenses que se dedicam a literatura infanto-juvenil. Afinal, é na infância que o hábito da leitura irá despertar o senso crítico, a imaginação, sentimentos e sensações que facilitarão o processo de aprendizagem e de comunicação.

Mais de dois mil livros identificados com o selo da campanha estarão à disposição dos passageiros, podendo ser encontrados no saguão e sala de embarque.

Abrilhantando a campanha, cinco escritores paraenses irão participar de uma tarde de autógrafos, e ao mesmo tempo, doar essas publicações às pessoas interessadas, entre os dias 29/10 e 05/11. Ao todo serão autografados mais de 500 livros.

As obras disponibilizadas pelos escritores paraenses com foco no público infanto-juvenil são:  “As Casas”, do autor e ilustrador de sonhos e poesias, Maciste Costa; “Onde a canção foi parar ?”, um audiobook escrito por Leonardo e Guto Risuenho, um musical que relata o dia em que as notas musicais se separaram e decidiram que não deveriam mais se apresentar juntas; “Gaspar Vianna - O Legado de um Herói”, feito por uma dupla de paraenses reconhecida internacionalmente - Joe Bennett, que há vinte anos desenha super-heróis como Homem Aranha, Homem de Ferro, Batman, para editoras norte-americanas, e Ruy José, autor, roteirista e arte-finalizador que possui trabalhos publicados em revistas da DC Comics e Marvel Comics, há mais de dez anos; “Hq’s do Lucas - Um Jeito Diferente de Falar do Autismo”, revista em quadrinhos com historinhas inspiradas em situações reais vivenciadas no cotidiano do autor e ilustrador Lucas Quaresma; “Contos de Natal”, do escritor Walcyr Monteiro, em que percebemos o quanto o Espírito Natalino pode se manifestar nas situações as mais diversas e às vezes improváveis.

A campanha Livro Viajante é mundialmente conhecida; surgiu a partir do BookCrossing, conceito que nasceu nos Estados Unidos em 2004 e pode ser definido como a prática de deixar um livro num local público, para que outros o encontrem, leiam e voltem a liberá-lo.

SERVIÇO

Tarde de autógrafos dos autores paraenses

Data: 29/10 a 05/11

Horário: 13h às 15h30

Local:  Mezanino do terminal de passageiros

Agenda:

Dia 29/10 - “Hq’s - Um Jeito Diferente de Falar do Autismo”, autor: Lucas Quaresma

Dia 30/10 - “As Casas”, autor: Maciste Costa

Dia 31/10 - “ Onde a canção foi parar?”, autores: Leonardo e Guto Risuenho

Dia 01/11 -“ Gaspar Vianna- O Legado de um Herói”, autores: Ruy José e Joe Bennett

Dia 05/11 - “ Contos de Natal”, autor: Walcyr Monteiro

Fonte: Ascom  Aeroporto Internacional de Belém

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Biblioteca de Augusto Correa ganha estande com obras de Direito


A Biblioteca comunitária Apoena do município de Augusto Correa, região nordeste do estado, ganhou uma sessão de livros de Direito, doados pelo projeto de incentivo à leitura Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE).

Segundo Wilson Pereira, responsável pela biblioteca, os jovens da região que frequentam o local, sempre procuravam esse tipo de literatura, seja para dar suporte a trabalhos escolares ou de estudos para concurso público. Ao todo, foram entregues à biblioteca 112 livros.

A biblioteca é uma iniciativa pessoal de Wilson Pereira e sua família que, segundo ele, tem o objetivo de proporcionar aos jovens da região, melhores oportunidades de educação, estímulo aos estudos, orientações sobre a importância da leitura, dentre outras ações educativas.



quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Livro Solidário contribui com projeto Livro Viajante da Infraero


A Imprensa Oficial do Estado (IOE), por meio do projeto Livro Solidário, entregou nesta quarta-feira, 3, cerca de 500 livros para a Campanha Livro Viajante  da Infraero que será realizada de 29 de outubro a 5 de novembro, no aeroporto internacional de Belém.

Os livros doados pela IOE são, em sua maioria, de autores paraenses editados pela autarquia. A Infraero também solicitou a indicação de cinco escritores que nesse período estarão conversando com os passageiros e autografando suas obras para os interessados.

A campanha será realizada pelo 6º ano consecutivo em homenagem ao Dia do Livro. O programa é inspirado no conceito americano do BookCrossing, que se define como a prática de deixar um livro num local público, para que outras pessoas o encontrem, leiam e voltem a liberá-lo.

Os livros, identificados com o selo da campanha, ficarão à disposição dos passageiros. A iniciativa tem o objetivo de estimular o hábito de leitura e, no Pará, é realizado em parceria com a Imprensa Oficial do Estado do Pará, por meio do projeto “Livro Solidário”.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Livro Solidário participa do V Festival Internacional do Cacau e Chocolate da Amazônia e 17º Flor Pará


O projeto Livro Solidário, que já entregou à população paraense mais de 60 mil livros em seis anos e meio de existência, participa do V Festival Internacional do Cacau e Chocolate da Amazônia e 17º Flor Pará que serão realizados de 27 a 30 de setembro, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.
O projeto divulga, no estande do NAC (Núcleo de Articulação e Cidadania), as ações de incentivo à leitura e recebe doações dos participantes e visitantes para reforçar os acervos dos Espaços de Leitura que já foram atendidos pelo Livro Solidário.



Alunos do Tenoné preparam Sarau Literário


Alunos da Escola Estadual de Ensino Médio Professor Manoel Leite Carneiro, situada no bairro do Tenoné, em Belém, vão apresentar em novembro um Sarau Literário, como resultado das leituras realizadas no  Espaço de Leitura Livro Solidário da escola, implantado com apoio da Imprensa Oficial do Estado. Toda a comunidade escolar está envolvida na atividade literária.

Fotos: Fernando Sette





quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Polo Pro Paz em Outeiro recebe Espaço de Leitura


Cerca de cento e setenta crianças e adolescentes atendidos pelo Instituto Pro Paz Bola Branca, no bairro de Outeiro, em Icoaraci, receberam em julho, um Espaço de Leitura do projeto Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado. 

O Polo desenvolve atividades voltadas para a temática ambiental - por conta da proximidade com a natureza e a praia -, com valorização na cultura local de Outeiro, além de práticas desportivas e orientações sobre saúde, bem como  acompanhamento psicológico.

Para a coordenadora do Pro Paz nos Bairros, Luci Azevedo, o espaço de leitura vem atender a uma demanda antiga da comunidade: “Antes os jovens precisavam se deslocar, muitas vezes, ao centro de Belém para ter acesso a bibliotecas e, agora, com a implantação do Espaço, essa distância foi encurtada , aproximando-os mais ainda do hábito de ler”, destacou.

Também presente na implantação do Espaço de Leitura, o diretor Técnico da Imprensa Oficial, Augusto Neto, reforçou a importância da leitura como fonte de inspiração para qualquer profissão. “Ela é a responsável em fornecer a cada um de vocês referências que serão para toda a vida”, alertou aos jovens. 

A diretora de Ações Estratégicas do Pro Paz, Priscila Campelo, ressaltou a importância da parceria com a Imprensa Oficial do Estado que, através da doação de livros, só tem trazido benefícios aos jovens. “Os jovens precisam aproveitar essa oportunidade, pois o conhecimento é algo que se leva para a vida inteira”, ressaltou.

Principal incentivadora do projeto, a presidente do Instituto Bola Branca, Libili Santos, comentou que aquele espaço  tem origem em um “um sonho antigo” do pai que realizava atividades sociais para crianças e jovens carentes do Outeiro. Ela, então, o presenteou com a compra do terreno onde hoje funciona a sede do Bola Branca e após o falecimento do pai, Lia – como é conhecida - quis dar continuidade ao projeto. “Isto aqui era um sonho dele, e é muito gostoso ter o carinho diário dessas crianças. Isso não tem preço”, falou, emocionada.

Ela acrescentou também que “as crianças adoraram o Espaço, pois o acesso à leitura ajuda no desempenho escolar e, agora, nossa sala é um ambiente climatizado e agradável. E já estamos, inclusive, fazendo empréstimos de livros”, finalizou.

A coordenadora do projeto Livro Solidário, Carmen Palheta, falou que o livro precisa ser vivenciado e trazido para a realidade de cada um. “Não podemos ver o livro como um objeto parado na estante. Ele precisa ganhar asas e “voar” de mão e mão para, dessa maneira, promover a mudança social na cabeça e na vida das pessoas”. Segundo ela, “temos que enxergá-lo como uma fonte de conhecimento que pode ser acionada em qualquer situação da nossa vida e aqui, no Bola Branca, temos a oportunidade de aliar a leitura com a prática  de atividades esportivas”.

A manhã de sol em clima de férias finalizou com a menor Kauene Cristina, 9 anos, que fez a leitura do poema “A Biblioteca Nascimento”, escrito por um aluno atendido pelo projeto.

Texto: Ascom IOE
Fotos: Fernando Sette








terça-feira, 18 de setembro de 2018

Livro Solidário vira referência de incentivo à leitura


Alunos da Escola de Estadual de Ensino Fundamental e Médio Nossa Senhora do Carmo, no bairro do Tapanã, em Belém receberam um Espaço de Leitura do projeto Livro Solidário. O Espaço que passa a funcionar na Biblioteca Maria do Carmo Santos Simões recebeu um acervo de 800 livros de literatura em geral e gibis e vai beneficiar os cerca de mil alunos que estudam nos três turnos, além dos alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos).

A diretora da escola, Soraya Coutinho, louvou a parceria com a Imprensa Oficial do Estado, que coordena o projeto junto ao Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC). “Esse local vai se tornar um espaço de convivência, de desenvolvimento de projetos, e vai proporcionar aos alunos um ambiente de aprendizagem. Como nosso bairro é muito carente, toda a comunidade agradece o fato de a escola receber esse Espaço de Leitura que vai ser de fundamental importância não só para a escola, como para toda a comunidade do entorno”, observou. Para a professora Célia Brabo, o espaço é “uma conquista que tem que ser celebrada, especialmente por incentivar a leitura dos nossos alunos”.

Na ocasião, alunos do 3º ano prestaram uma singela homenagem ao escritor Monteiro Lobato, arrancando aplausos do público presente, formado pelo corpo docente e discente, além de pais e mães de alunos. Ao pequeno Ryan Teixeira de Oliveira, de 9 anos, coube a responsabilidade de representar o escritor homenageado. Ele disse que não conhecia muito sobre Monteiro Lobato, mas depois da apresentação ficou sabendo que ele era o criador do Sítio do Pica Pau Amarelo.  Ele disse também que gosta de ler gibis e vai procurar conhecer outras histórias por meio dos livros que compõem a biblioteca.

Laura Layane Silva, 9,disse que está aprendendo a ler e acredita que os livros vão ajudá-la nesse aprendizado. A mãe dela, Luciane Silva, reforçou que a leitura é a base da educação e “ter um espaço como este aqui na escola vai ajudá-la não só como estudante, mas na sua formação como cidadã”, acredita.

Segundo a professora de língua portuguesa e outras disciplinas, Sandra Maria Gomes, o espaço vai contribuir com a alfabetização das crianças. “A criança que sabe ler sabe interpretar, pois a leitura é a base da vida”, pontuou. 

Para a diretora de Educação da USE 9, Milene Souza, os livros doados pelo projeto vão ajudar a escola e os alunos a aumentarem as notas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). “Na primeira escola da USE 9, onde foi implantado o Espaço de Leitura do Livro Solidário, houve um crescimento muito grande na nota do Ideb, e acreditamos que também deva acontecer o mesmo aqui na Nossa Senhora do Carmo, pois os professores estão empenhados nesse sentido”, pontuou.

Para a coordenadora do Livro Solidário e diretora de Documentação da Imprensa Oficial do Estado, Carmen Palheta, “quando se ajuda a implantar mais um Espaço, percebe-se que se torna uma atitude de valorização do livro como instrumento de transformação e inclusão sociais”.

Texto: Ronaldo Quadros
Fotos: Fernando Sette



Livro Solidário incentiva leitura em mais três municípios do Pará



Escolas dos municípios de Algodoal, Curralinho e Santarém estão sendo beneficiadas com a doação de acervos doados pelo projeto Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado e Núcleo de Articulação e Cidadania do Governo do Estado. 

Em Santarém, os estudantes da Aldeia Nova Vista já inauguraram o seu Espaço de Leitura Livro Solidário, que iniciou com um acervo de cerca de 500 livros de interesse geral. 

Já a Escola Agro-Ambiental de Curralinho, recebeu cerca de 400 livros que vai reforçar o acervo já existente na instituição. 

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria de Lurdes da ilha de Algodoal será contemplada com um acervo de aproximadamente 400 livros que vão ajudar no desenvolvimento de trabalhos de pesquisa dos alunos.   

terça-feira, 26 de junho de 2018

Escola pública de Belém recebe doações do Livro Solidário


A biblioteca da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Vilhena Alves recebeu na manhã desta terça-feira, 26, cerca de 400 livros que foram doados pela Imprensa Oficial do Estado, por meio do projeto de incentivo à leitura Livro Solidário. O acervo vai reforçar o já existente na instituição que atende a alunos de tempo integral e do EJA (Educação de Jovens e Adultos).

“Esta é a segunda doação que o projeto faz para a escola. Ficamos muito felizes em ajudar a aumentar o acervo da biblioteca, assim como o projeto de incentivo à leitura desenvolvido pela instituição”, informou Lucila Girão, técnica do Livro Solidário.

Segundo o professor Ivanildo Leal, que recebeu o acervo em nome da escola, depois de selecionados, os livros vão estar à disposição dos professores, alunos e da comunidade do entorno da escola. 

“A nossa biblioteca vai passar por uma reforma e o espaço vai ser todo revitalizado para atender o projeto de formação de leitores. O nosso objetivo é formar, cada vez mais, alunos leitores”, informou Leal.

Leal saudou a parceria com o projeto Livro Solidário que está permitindo que a biblioteca da escola amplie o acervo. Segundo ele, a meta é, até o final do ano, conseguir cerca de cinco mil livros. Para isso, a escola já conta com outros parceiros, como a Biblioteca Pública Arthur Viana, além de doações vindas de professores e outros colaboradores.

“Muitas das vezes o professor seleciona um tema para trabalhar com os alunos e nos solicita os livros indicados para a pesquisa. Com a ampliação do acervo e do espaço, vamos poder contribuir ainda mais para o desempenho dos nossos alunos”, pontuou Ivanildo Leal.

A coordenadora do Livro Solidário, Carmen Palheta reforçou a importância da colaboração de toda a sociedade, lembrando que o projeto funciona com doações de livros da população e de órgãos públicos que se mobilizam na arrecadação de títulos novos e usados. 

“As doações para o projeto Livro Solidário podem ser realizadas diretamente na sede Imprensa Oficial do Estado, localizada na Travessa do Chaco, 2271, no Bairro do Marco, em Belém. Se a pessoa tiver muita dificuldade para trazer, pode ligar e agendamos para ir buscar”, informou Palheta. Mais informações pelo telefone: 4009.7847.

Ascom IOE


quarta-feira, 13 de junho de 2018

Confira como foram os Sarau Literários do Livro Solidário


A Imprensa Oficial do Estado (IOE) e a Secretaria de Estado de Cultura (Secult) promoveram o Sarau Literário, que fez parte da programação da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro.  

O evento contou com a presença dos escritores Paulo Maués, Mary Del Priore, Celso Antunes e Daniel Leite. O amazonense Milton Hatum não veio por motivo de saúde, mas teve seu livro representado no evento.
Veja como foi.   


SarauLiterário dá vida a obras de escritor paraense em escola pública

Adolescentes da Fasepa transformam literatura em espetáculo no Margarida Schivasappa


Alunos do Pro Paz revivem a história do Brasil e se preparam para a Feira do Livro



Celso Antunes se emociona com homenagem de alunos da Cabanagem

Escritor Daniel Leite se emociona em mais um Sarau Literário da Feira do Livro


sexta-feira, 8 de junho de 2018

Escritor Daniel Leite se emociona em mais um Sarau Literário


“A cultura tem o poder emocionar”. A frase dita pela professora Ruth Valin marcou o tom do Sarau Literário na manhã desta sexta-feira, 8, no Preventório Santa Terezinha, no bairro do Marco, em Belém, que contou com a presença do escritor paraense Daniel Leite, homenageado pelas crianças atendidas pela instituição e os da Escola Estadual Santa Terezinha, que funciona no mesmo prédio.

Elas cantaram músicas infantis e recitaram trechos das obras “A história das crianças que plantaram um rio” e “A menina árvore”, de Daniel Leite, além de uma dramatização sobre a primeira obra.

Muito concentrados e com a leitura bem ensaiada, os pequeninos emocionaram a todos. Principalmente o escritor convidado para o Sarau. Segundo a professora Odinéia Bastos, que orientou os alunos na leitura do livro “A história das crianças que plantaram um rio”, as crianças soltaram a imaginação durante a leitura da obra, e dessa viagem saíram desenhos, pinturas, colagens e poemas, que enfeitaram o auditório e os corredores da instituição, encantando a todos os presentes.

“Eles (os alunos) não têm o hábito da leitura, mas eles foram soltando a imaginação conforme a gente ia lendo pra eles. O Sarau veio completar o nosso trabalho de educação. Esse momento eles nunca vão esquecer”, acredita Bastos. Bruno Moura, de 6 anos, estava eufórico com o evento e disse que tinha gostado muito das histórias dos livros lidos pelas professoras. “Eu gostei mais da menina da árvore”, contou Kathlen da Silva, 6.

Depois de acompanhar todas as apresentações, Daniel Leite, emocionado,  disse que só uma palavra poderia resumir aquele momento: “Gratidão”. “É tudo o que posso dizer. As crianças compreenderam a mensagem de que é possível sonhar; e acordar pra sonhar, ao contrário do que seria comum. Isso me faz acreditar no Brasil”, pontuou Leite. 

Segundo ele, toda vez que uma criança de apropria de um livro e o torna algo particular, ‘isso me anima muito, me deixa muito feliz’. E comparou: “Hoje, aqui no Preventório Santa Terezinha, as crianças me deram uma aula de vida; foi uma verdadeira transfusão de energia”, externou.

Segundo a coordenadora do projeto Livro Solidário, da Imprensa Oficial do Estado Carmen Palheta, “o Sarau alcançou um patamar dentro das escolas que talvez a gente nem tivesse projetado. As pessoas conseguem se envolver com os livros propostos de uma forma especial e dão uma dimensão muito maior pra essa ação de estímulo à leitura que começamos há quase oito anos. Aqui no Preventório foi mais um momento de emoção. E só temos a agradecer a todos os envolvidos no desenvolvimento do Sarau”, pontuou Palheta.

O Sarau Literário encerra neste sábado, 9, às 10h30, no Hangar, com uma reunião do melhor que foi apresentado durante a semana em todos os polos que receberam o evento literário.

O Sarau Literário é resultado da parceria do projeto Livro Solidário coordenado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE) com a Secretaria de Estado de Cultura (Secult), com o Pan-Amazônica na Escola. E parte integrante da programação da 22ª Pan-Amazônica do Livro. O evento tem apoio do Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC). 


Texto: Ascom IOE

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Preventório Santa Terezinha recebe Sarau com o escritor Daniel Leite


A Imprensa Oficial do Estado (IOE) e a Secretaria de Estado de Cultura (Secult) realizam nesta sexta-feira, 8, mais um Sarau Literário, no Preventório Santa Terezinha, no bairro do Souza, em Belém.

O evento que faz parte da programação da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro, contará com a participação do escritor Daniel Leite. O Sarau será às 9h.
Dois livros do escritor foram sugeridos para que os alunos trabalhassem a leitura e pudessem fazer performances e leitura dramática, por exemplo.

‘A história das crianças que plantaram um rio’ é um livro para se ler como quem ouve uma história, daquelas encantadas que só as avós sabem contar. Um livro para acender a imaginação. “Uma narrativa-candeeiro para iluminar gente de todas as idades”, destaca o escritor na apresentação da obra. 

Já ‘A Menina Árvore’, conta a história de uma menina que, ao adormecer, ouve uma voz a convidando a “acordar para sonhar". “A menina sonha com passarinhos em seus cabelos, árvores que bailam e se entrelaçam, céu que vira mar e estrelas que viram baleias. As árvores bailarinas têm flores em suas mãos e braços que viram asas” pontua Daniel Leite.

SERVIÇO
Data: 08/06, 6ª feira, às 9h, com Daniel Leite, no Preventório Santa Terezinha. Av. Almirante Barroso, 4352, Souza (Altos).

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Educador Celso Antunes participa de Sarau na Cabanagem


O educador Celso Antunes será o convidado do Sarau Literário na Escola Cônego Batista Campos, do bairro da Cabanagem, em Belém. O evento inicia às 9h, com a presença do escritor. 

Os alunos receberam como indicação de leitura o livro ‘Sala de Aula e Futebol’ onde o escritor e educador procura mostrar a estreita relação entre o jogo e a aula e entre a rotina na escola e a emoção no campo, buscando fazer de cada leitor um protagonista capaz de pensar identidades e de transferir experiências.

O Sarau Literário é realizado por meio do projeto Livro Solidário da IOE e o Pan-Amazônica na Escola, da Secult, e faz parte da programação da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro.

SERVIÇO
Dia 07/06, 5ª feira, às 9h.
Local: Escola Cônego Batista Campos, Rua Cônego Batista Campos s/n Cabanagem.

terça-feira, 5 de junho de 2018

Imprensa Oficial arrecada doações de livros na Feira do Livro


O projeto Livro Solidário marca presença, novamente, durante a Feira Pan-Amazônica do Livro com a campanha “Já leu? Não quer mais?” que estimula a doação de livros usados para bibliotecas públicas, organizações sociais, instituições, centros comunitários e escolas.

Os interessados podem fazer doações no estande da Imprensa Oficial do Estado, onde também vão poder conhecer mais um pouco sobre o projeto e os lugares contemplados com os livros.
De 2011 – quando iniciou o projeto – até os dias atuais, mais de 50 mil livros foram encaminhados para várias instituições. No material distribuído para o público da Feira, consta informações sobre os Espaços de Leitura, a história do projeto e como fazer as doações depois de encerramento da Feira. 

SERVIÇO:
Doações podem trazer diretamente no estande na feira, até o dia 10 junho, ou na sede da IOE, que fica na Travessa do Chaco, número 2271, no bairro do Marco, em Belém.




quarta-feira, 30 de maio de 2018

Sarau Literário leva escritores para dentro das escolas do Estado


A Imprensa Oficial do Estado (IOE) e a Secretaria de Estado de Cultura (Secult) promovem, entre os dias 4 e 9 de junho, o Sarau Literário, que faz parte da programação da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro.  

O evento realizado por meio do projeto Livro Solidário da IOE e o Pan-Amazônica na Escola, da Secult, terá a participação dos escritores Paulo Maués, Mary Del Priore, Celso Antunes e Daniel Leite.

A culminância do evento vai acontecer no dia 9, às 10h30, no Hangar, quando será mostrado um mix de algumas das apresentações que ocorreram nas escolas. A entrada é franca.

A abertura do Sarau Literário será no dia 4, às 9h, na Escola Álvaro Adolfo, do município de Ananindeua, que contará com a presença do escritor Paulo Maués. Os alunos, com a ajuda de professores e arte educadores, se debruçaram durante quase dois meses na leitura dos livros ‘Festa no Cemitério’, ‘A Loira do Banheiro’, e ‘História da Cobra Grande’, para poderem desenvolver as apresentações que prometem surpreender os convidados.

Os mitos amazônicos, a riqueza da oralidade, a diversidade de relatos e narrativas sobre o tema se transformaram em objeto de trabalho do pesquisador Paulo Maués Corrêa. Essa oralidade rica foi reunida pelo escritor ao longo de mais de duas décadas de pesquisa. Desde 1999, o autor estuda o universo das lendas da região e colhe narrativas de personagens que encontra em suas andanças pelo Pará.

Os socioeducandos da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa) desvendaram a história narrada no livro ‘Relato de Um Certo Oriente’, do escritor amazonense Milton Hatoum, para apresentarem em formado de performance teatral, no Sarau Literário, no dia 5 de junho, às 9h30, no Teatro Margarida Schivasappa.

“As instalações cênicas que envolvem artesanatos, pinturas e desenhos, a performance teatral com a ideia central de uma colcha de retalhos, declamações de poesias , leituras dramática de poemas, teatro em movimento e a musicalização são as ações que desenvolverão a apresentação neste sarau”, explicou Marta Santos, coordenadora da Ação Talentos, da Fasepa.

Relato de Um Certo Oriente, de 1989, primeiro romance de Milton Hatoum, debruça-se sobre um tema bastante comum: a família e seus dramas. A procura por mostrar as dificuldades presentes na convivência diária de familiares e amigos entre si, com seus diferentes segredos e comportamentos, faz deste um grande enredo.

O romance mostra que o refúgio da memória é a interioridade do indivíduo, reduzido e isolado na sua própria história, quase que incomunicável com outro mundo que não seja o dele.

As verdadeiras histórias do país resgatadas pela escritora Mary Del Priore, serão destacadas pelos jovens atendidos pela Fundação Pro Paz na unidade da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFPA). O Sarau vai ocorrer no dia 06, às 9h, na Av. Presidente Tancredo Neves, 2501, no bairro da Terra Firme. Os jovens receberam como indicação de leitura o livro ‘Histórias da Gente Brasileira – Volume 1. Colônia’.

Ainda no processo de preparação dos jovens pro evento, eles participaram, no Museu de Arte sacra, da Igreja de Santo Alexandre, de uma palestra com o historiador Aldrin Moura de Figueiredo, sobre a obra da escritora visando à montagem de uma peça de teatro sobre a leitura indicada. Foi o momento dos alunos fazerem perguntas sobre a vida e obra da escritora.

Mary Del Priore nos presenteia, neste livro, com as verdadeiras histórias do país, aquelas que retratam intimamente a vida da gente brasileira. Nele, se descobre como as pessoas se vestiam, onde moravam, o que comiam, o que faziam para se divertir e tantos outros fatos “menores”, que muito dizem sobre elas – e sobre nós. Este é o primeiro volume da coleção “Histórias da gente brasileira” – focado na época do Brasil Colônia.

O educador Celso Antunes será o convidado da Escola Cônego Batista Campos, do bairro da Cabanagem, às 9h, do dia 7.  Os alunos receberam como indicação de leitura o livro ‘Sala de Aula e Futebol’ onde o escritor e educador procura mostrar a estreita relação entre o jogo e a aula e entre a rotina na escola e a emoção no campo, buscando fazer de cada leitor um protagonista capaz de pensar identidades e de transferir experiências.

O último dia do Sarau Literário vai acontecer no Preventório Santa Terezinha, no bairro do Souza, em Belém, com a participação do escritor Daniel Leite. O evento será no dia 8, às 9h. Dois livros do escritor foram sugeridos para que os alunos trabalhassem a leitura e pudessem fazer performances e leitura dramática, por exemplo.

‘A história das crianças que plantaram um rio’ é um livro para se ler como quem ouve uma história, daquelas encantadas que só as avós sabem contar. Um livro para acender a imaginação. “Uma narrativa-candeeiro para iluminar gente de todas as idades”, destaca o escritor na apresentação da obra. 

Já ‘A Menina Árvore’, conta a história de uma menina que, ao adormecer, ouve uma voz a convidando a “acordar para sonhar". “A menina sonha com passarinhos em seus cabelos, árvores que bailam e se entrelaçam, céu que vira mar e estrelas que viram baleias. As árvores bailarinas têm flores em suas mãos e braços que viram asas” pontua Daniel Leite.

SERVIÇO
04/06, 2ª feira, às 9h, Paulo Maués, na Escola Álvaro Adolfo, situada na Rua Magalhães Barata, Guanabara Ananindeua.
05/06, 3ª feira, às 9h30. Escritor Milton Hatoum, com socieducandos da FASEPA, no Teatro Margarida Schivasappa da Fundação Cultural do Pará.
06/06, 4ª feira, às 9h, com a presença da escritora Mary Del Priore. Fundação Pro Paz Ufra.  Av. Presidente Tancredo Neves, 2501,Terra Firme.
07/06, 5ª feira, às 9h. O escritor convidado será Celso Antunes na Escola Cônego Batista Campos, Rua Cônego Batista Campos s/n Cabanagem.
08/06, 6ª feira, às 9h, com Daniel Leite, no Preventório Santa Terezinha. Av. Almirante Barroso, 4352, Souza (Altos).

Ascom/IOE

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Obra de Mary Del Priore vai ganhar vida em Sarau Literário


As verdadeiras histórias do país resgatadas pela escritora carioca Mary Del Priore, serão destacadas pelos jovens atendidos pela Fundação Pro Paz na unidade da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), em um Sarau Literário que será realizado no dia 6 de junho, às 9 horas,  na Av. Presidente Tancredo Neves (Perimetral), 2501, no bairro da Terra Firme.

O Sarau é um dos cinco saraus literários que fazem parte da programação da XXII Feira Pan-Amazônica do Livro, realizado por meio do projeto Livro Solidário da Imprensa Oficial do Estado (IOE) e o Pan-Amazônica na Escola, da Secretaria de Estado de Cultura (Secult).

Os jovens receberam como indicação de leitura o livro ‘Histórias da Gente Brasileira – Volume 1,  Colônia’. Ainda no processo de preparação para o evento, eles participaram, no Museu de Arte sacra da Igreja de Santo Alexandre, de uma palestra com o historiador Aldrin Moura de Figueiredo, sobre a obra da escritora Del Priore. 
O objetivo é conhcer ainda mais a obra para produzirem o sarau.   

“Temos uma grande equipe envolvida nesse trabalho de preparação dos alunos para o Sarau. Os professores e arte-educadores dos Polos do Pro Paz têm realizado ensaios intensos com os alunos”, afirmou Luci Azevedo, coordenadora Geral do Propaz nos bairros, e organizadora do Sarau na UFRA. 



Ela explicou que o processo de preparação para o evento foi dividido em duas etapas: a primeira com a palestra do professor Aldrin Figueiredo que oportunizou aos alunos uma experiência de pertencimento e compreensão histórica da herança deixada por nossos antepassados. “A segunda está sendo feita com leituras, montagem da coreografia e do figurino”, pontuou.

SOBRE A OBRA
A obra de Mary del Priore  escolhida fala das verdadeiras histórias do país, aquelas que retratam intimamente a vida da gente brasileira. Nele, se descobre como as pessoas se vestiam, onde moravam, o que comiam, o que faziam para se divertir e tantos outros fatos “menores”, que muito dizem sobre elas – e sobre nós. Este é o primeiro volume da coleção “Histórias da gente brasileira” – focado na época do Brasil Colônia.

SERVIÇO:
Sarau literário da UFRA
Dia 06/06, 4ª feira, às 9h, com a presença da escritora Mary Del Priore. Local: Fundação Pro Paz UFRA.  Av. Presidente Tancredo Neves, 2501,Terra Firme.

Texto: Ronaldo Quadros- ASCOM/IOE
Fotos: Fernando Sette